VIAGEM AS CHAPADAS DOS VEADEIROS E DIAMANTINA

                                                   

                                                                                   MARCOS - SP

 

Espero que esse relato ajude aqueles que pretendem um dia ir conhecer as Chapadas lugares incríveis que recomendo a todos.

Eu e meu primo Guilherme conseguimos tirar férias na mesma época e decidimos fazer a viagem depois de consultar os amigos do Clube Dr 800 e outras pessoas, montamos o roteiro que acabou não sendo seguido.

 

Dia 26 de maio São Paulo a Brasília

Segunda feira 7:00 h da manhã a DR e Cagiva Canyon 500 carregada, tiramos uma foto em frente de minha casa e rumamos então, sentido rodovia dos Bandeirantes depois Anhanguera até a divisa de SP/MG. Nossa meta esse dia era chegar em Uberlândia e dormir por lá. Havíamos pensado na verdade chegar em Brasília, mas como essa era a primeira viagem mais longa do meu primo achei melhor rodar uns 600 Km e parar.

Paramos em um posto Graal p/ almoçarmos pouco antes de Uberaba, por volta das 13:00h. Quando estacionamos a moto percebi que três caras que passavam por perto ficaram nos olhando e um deles se aproximou e perguntou de quem era a DR, respondi que era minha e ele me perguntou se havia ido no encontro de São Thomé, pois era grande amigo de nosso companheiro de clube o Marcus Campanário. Seu nome é Luis Felipe, conversamos um pouco nos deu a dica sobre as condições das estradas. Depois das dicas meu primo disse que agüentava chegar em Brasília seriam mais 400Km e vimos que chagaríamos já no começo da noite.

Chegamos em Brasília por volta das 19:00h de baixo de chuva ( que iria nos acompanhar pro toda viagem ), liguei p/ uma prima que estuda na UNB e ela me deu uma dica de pousadas p/ passarmos a noite já que hotéis em BSB são muito caros. Também liguei p/ nosso companheiro de clube o Gustavo que se colocou a disposição p/ nos levar no dia seguinte p/ conhecer BSB.

Resumo do dia:

1a  parada: Abastecimento Canyon   183,2Km/ 15,5 L  media 11,8      R$ 32,58 ( Limeira )

2a  parada: Abastecimento Canyon   114,0Km/ 8 L       media 14,2      R$ 16,00 ( S. Simão )

                 Abastecimento DR 800   297,2Km/19,1L    media 15,5      R$ 38,00

3a  parada: Abastecimento Canyon   179,3Km/ 12,7L   media 14,1      R$ 27,66 ( Ituverava )

4a  parada: Abastecimento Canyon   138,1Km/ 9.6 L    media 14,3      R$ 14,95 ( Uberaba )

                 Abastecimento DR 800   317,4Km/ 20.2L   media 15,7      R$ 41,00

5a  parada: Abastecimento Canyon   236,5Km/ 17,5 L  media 13.5      R$ 40,00

                 Abastecimento DR 800   236,5Km/ 16,1L   media 14,6      R$ 36,50

Total de Km: 1031Km

 

Almoço: R$ 8,00/ pessoa

Janta: R$ 11,00/ pessoa

Pousada R$ 35,00/pessoa

Dia 27/05 Brasília a São Jorge

Como combinado no dia seguinte liguei p/ o Gustavo que nos levou p/ conhecer os principais pontos de BSB, tiramos varias fotos. Deixamos BSB por volta das 13:00 rumo a Alto Paraíso de GO, onde chegamos por volta das 15:30h, entramos na cidade p/ pegarmos algumas informações e rumamos p/ o distrito de São Jorge, eram mais 38Km sendo 35 de terra estrada larga porém cheia de costeletas que acabariam soltando toda carenagem da Canyon. Para aproveitar o tempo resolvemos conhecer a cachoeira de São Bento que fica no caminho e depois de paradas p/ fotos chegamos em São Jorge por volta da 17:30 debaixo de chuva coisa aconteceria durante o resto da viagem. Procuramos a pousada Águas de Março que nos foi indicada pelo Gustavo e fechamos com o gerente por R$70,00 a diária.

 

Resumo do dia:

1a  parada: Abastecimento Canyon   207,1Km/ 14,0L      media 14,8      R$ 29,26 BSB

                 Abastecimento DR 800  207,1 Km/14,3L    media 14,5      R$ 29.88

  2a. parada Abastecimento Canyon  176,5 Km/ não anotado (São João da Aliança)

 3a  parada: Abastecimento DR 800  246.5Km/ 16.7L   media 14.8      R$ 38,00 A Paraiso

                  Abastecimento Canyon   70Km/ 4.4L             media 15.9      R$ 15.91

Total de Km: 286.5Km

 

Entrada p/ Cachoeira de São Bento R$ 5,00/pessoa

Almoço: R$ 7.50/ pessoa

Janta: R$ 11,80/ pessoa

 Dia 28/05 Passeio Salto 1 e 2

Com o guia arranjado, partimos logo cedo 8:00h ( a pé ) p/ conhecer as cachoeiras do Salto 1( 80m ) e 2,( 160m ) locais incríveis apesar do tempo ruim ainda deu p/ nadar no poço da salto 1. Total de caminhada 12 Km sem problemas a volta é um pouco mais pesado pois tem uma subida um pouco íngreme mas nada p/ assustar.  Retornamos por volta das 14:30h. Nesse dia meu primo teve febre e ficou o resto da tarde na cama.

 Entrada do Parque R$3.00/pessoa

Guia R$ 30,00 / dia

Almoço: R$ 9,00 ( na própria pousada )

Janta: R$ 15,00 ( uma pizzaria na entrada de São Jorge )

 

Dia 29/05 Passeio Canyon, Carioquinha e Vale da Lua

Com o mesmo guia fomos conhecer também dentro do parque o Canyon e as Carioquinhas, mais 12 Km de ida e volta, locais mais incríveis ainda, onde além de podermos nadar, pulamos de uma pedra de mais ou menos 6m, foi muito divertido.Retornamos por volta das 14:00h, vale ressaltar que como não era temporada só havia eu e meu primo então pudemos aproveitar bastante, pois de acordo com o guia em alta temporada o parque recebe 300 pessoas por dia. A tarde pegamos as motos e fomos conhecer o Vale da Lua, local de visual incrível, o nome já diz tudo. Não foi preciso pagar entrada, teria custado mais R$3,00/pessoa, pois não havia ninguém p/ nos receber. No retorno ainda encontramos com um tamanduá.

 A noite fomos no restaurante Lua de São Jorge onde o dono, Victor conhecemos na Pousada, um cara bem legal...

 Entrada do Parque R$3.00/pessoa

Guia R$ 30,00 / dia

Almoço: R$ 9,00 ( na própria pousada )

Janta: R$ 12,00

 Dia 30 de maio São Jorge a Taguatinga

Acertamos a conta na pousada, carregamos as motos e rumamos p/ conhecer as cachoeiras de Almécegas. Chegando lá quando meu primo foi manobrar a moto p/ estacionar ao meu lado, notei que sua placa tinha caído. Voltamos uns 8 Km e a encontramos caída sob as costeletas da estrada. Retornamos p/ Almécegas 1 onde há um morro íngreme a ser subido e e que durante o trajeto deparamos com uma cobra que se assustou muito mais conosco do que nós com ela. No caminho da 1 p/ 2 havia uns 100 m de areião que acabou levando meu primo ao chão, a cena foi engraçada vendo ele ir pra lá e pra cá até não aguentar e cair. Parei a DR para ajudar e ainda dando risada ajudei a levantar a Canyon, mas como quem ri por ultimo ri melhor acabei levando uma queimada na perna esbarrando no escapamento. Demos alguns mergulhos e fomos p/ Alto Paraíso onde um cara chamado Dé arrebitou os dois pedaços da placa em uma chapa de ferro por R$ 10,00 emendamos o lacre e por indicação do Dé fomos até o “Detran”de Alto Paraíso p/ tentar lacrar novamente a moto, mas infelizmente o responsável já tinha ido eram aproximadamente 14:00h. Partimos de Alto Paraíso por volta das 15:30 rumo ao estado do TO onde calculamos que chegaríamos em Taguatinga entre 18:30  19:00h seriam mais ou menos 300Km. Percurso percorrido tranqüilamente pois a estrada é praticamente reta e com pavimento e sinalização novos. Quando adentramos no TO começamos a avistar a Serra Geral que divide os estados da BA e TO. Paisagem impressionante aquele monumento retangular a nossa direita, que ficou mais bonito recebendo os últimos raios de sol. Finalmente chegamos em Taguatinga no TO onde passamos a noite no hotel Victor e comemos uma pizza muito ruim em um restaurante próximo.

 

Gastos do dia

Pousada Águas de Março: R$ 225,00 ( 3 diárias )

 Entrada p/ Almécegas: R$ 5,00/pessoa

Almoço: R$ 10,00/pessoa

Janta:  R$ 10,50/pessoa

 1º Abastecimento Canyon   115,2Km/ 8.4L  media 13.7      R$ 19,00 Alto Paraiso

   Abastecimento DR 800  115,2 Km/9,0L    media 12.8     R$ 20.50

Obs. Km percorridos somente em terra

 1a  parada: Abastecimento Canyon   153Km/13.66L             media 15.9      R$ 15.91

       

 Dia 31/05 Taguatinga ao Vale do Capão

Levantamos cedo acertamos o Hotel e rumamos p/ uma estrada de terra que liga o TO a BA são aproximadamente 65KM, um retão que da vontade de acelerar mas de uma hora aparece aquelas valetas feitas por caminhão, onde entrei varias vezes a uns 80Km pensei uma vez que meus alforges e bauleto voariam. A estrada de terra termina no município de Luiz Eduardo Magalhães entroncamento da BR 020 c/ a 242. A BR ( abreviação que no caso deveria ser de buraco e não de Brasil )242, começou muito bem até Barreiras sem problemas com asfalto novo e muitos trechos sendo recapiado. Paramos em Barreiras p/ tirar dinheiro e lavar e engraxar as correntes ( pratica que fazíamos todas as manhãs antes de partir ). Seguimos até Ibotirama trecho que a BR começou a mostrar o que iríamos enfrentar a diante. Paramos p/ almoçar e uns moleques perguntaram se poderiam cuidar das motos a resposta foi sim. De dentro do restaurante começamos a ver um movimento estranho próximo as motos, o meu primo saiu p/ ver e estavam uns 6 meninos lavando as motos, pensei “puxa vão riscar as motos inteira pois estavam em estado lastimável de terra e poeira”. Bem almoçados demos uns trocados p/ os meninos e rumamos p/ Diamantina. O trecho da 242 de Ibotirama até Lençóis esta impraticável com longos trechos esburacados, caminhões desviando p/ todas as direções e muita gente jogando terra nos buracos em troca de trocados dos motoristas. Ainda bem que estava de DR pois vc vem embalado em um trecho que se mostra melhor e de repente a seqüência de buracos aparece, cheguei a entrar em um trecho desse a uns 100Km / h, freiava c/ cuidado pra não derrapar e a DR se comportava bem, a Cagiva do meu primo foi preciso “amarrar” a carenagem com fita isolante pois se desprendeu inteira depois desses trechos.

Chegamos por volta das 17:00h, para variar com chuva, em Palmeiras uma cidade que fica próxima a Cachoeira da Fumaça nosso primeiro destino, depois de procurar um pouco decidirmos ficar na pousada do Verde, no vale do Capão 26 Km em direção a cachoeira. O proprietário Sr.Eduardo nos recebeu muito bem com café e biscoitos, conversamos um pouco e fomos repousar. 

 Resumo do dia

Hotel Victor: R$ 25,00/pessoa ( Taguatinga )

Almoço: R$ 16,00/pessoa ( Ibotirama )

                  Abastecimento Canyon   150Km/ 10.5L      media 14.28      R$ 24,00 Taguatinga

                 Abastecimento DR 800  299.2 Km/20.0L    media 14,96    R$ 46.00

 

1a  parada: Abastecimento Canyon   170Km/ 12.8L       media 13.28      R$ 27,50  Barreiras

 2a  parada:  Abastecimento DR 800  323.5Km/ 22.6L     media 14.3      R$ 53.20     Javi

                  Abastecimento Canyon  155,1Km/12.5L      media 12.4      R$ 29.20

 3a. Parada  Abastecimento Canyon não anotado 

  4a. parada Abastecimento DR 800  268.8 Km/18.3L    media 14,68     R$ 41.90  Palmeiras

                 Abastecimento Canyon   104Km/ 8.2L             media 12.68      R$ 18.80

                

Total de Km: 650Km

 Dia 01/06/2003 Visita a Cachoeira da Fumaça e Morro do Pai Inácio

 O Sr. Eduardo arranjou um guia, o Jair que nos levou a cachoeira da fumaça. O dia amanheceu completamente nublado para variar um pouco, e começamos a subida em direção a cachoeira. Chegando lá tivemos que aguardar mais de 1h o tempo abrir para vê-la. Que espetáculo um lugar incrível são 360m de queda, onde o vento muda a forma da cachoeira constantemente, impossível chegar na beirada da pedra sem ter que se arrastar para poder enxergar lá embaixo. Ficamos admirando aquela maravilha por algum tempo e resolvemos descer. Na volta encontramos um casal de Belo Horizonte que dessa hora em diante por coincidência nos encontraríamos em todos os lugares. E outra coincidência é que eles também haviam passado por Veadeiros rumando para o TO no Jalapão, em uma Caminhote Pathfinder com 6 Galoões de diesel na caçamba.

Chegando na pousada por volta das 14:30 resolvemos arrumar as coisas e ir p/ o morro do Pai Inácio e depois p/ Lençóis. No caminho paramos para conhecer uma cachoeira e rumamos para o Pai Inácio. Subimos com as motos até a onde dava travamos os capacetes no cabo de aço no guidão da Canyon e subimos a pé em companhia obrigatória do pessoal da ONG que cuida do morro.São 234m de altitude onde se vislumbra um horizonte geográfico de 360 graus com paisagens lindas. Ficamos até o por do sol e vimos um arco íris maguinifico por causa da garoa que começou a cair, tiramos bastante fotos. Quando descemos já escurecendo meu primo não achou a chave da Canyon e fomos obrigados a reboca-la até uma pousada as margens da 242 em um posto de gasolina. Sorte que levei os ganchos de prender a moto e o pessoal da ONG foi muito bacana em ter arrumado uma saveiro p/ levar a Canyon. Tivemos que abortar a ida até Lençóis p/ no dia seguinte voltar ao morro bem cedo em procura da chave.

 Resumo do dia

Pousada do Verde: R$ 25,00/pessoa

Colaboração p/ entrar na Cachoeira da Fumaça R$5,00

Colaboração p/ o pessoal da ONG R$ 5,00

Janta: R$ 8,00/pessoa ( Posto Pousada Pai Inácio )

Café dos caras que rebocaram a Canyon R$ 30,00

  

Dia 02/06/2003 A procura da Chave

 Levantamos umas 6 h mas para variar o mau tempo que nos perseguia ocorreu de novo, não dava para ver o Morro de tão intenso que estava a neblina e olha que estávamos a poucos metros dele, praticamente ele ficava na frente da pousada. Só conseguimos com muita força de vontade sair as 8h, pegamos a DR e subimos o morro, agora sem a presença do guia. Vasculhamos todos os lugares por onde passamos, já estávamos a mais de uma hora procurando com aquela chuva e vento que já começava a incomodar apesar das proteções que usávamos. Decidimos então descer e desmontar o miolo da Canyon e procurar alguém que fizesse nova chave. Tiramos fora o miolo pois é a mesma chave Arlen da DR, serramos o cabo de aço que prendia os capacetes, perguntei ao dono da pousada e ele me indicou um cara na cidade de Seabra 50 Km em direção a Ibotirama, onde havíamos passado. Sai debaixo de chuva rumo a Seabra onde encontrei o chaveiro que desmontou o miolo e fez nova chave, retornei , montei na moto e liguei-a . Na hora de testar na tampa do tanque ela não entrava nem por reza brava. Foi ai que de saco cheio pensando que estava perdendo um dia precioso, já que eram apenas 12 o total, mandei meu primo pegar a Canyon e ir p/ Seabra e pedir p/ o chaveiro arrumar a encrenca. Quando de repente um grito de “ACHEI”. A chave estava na barra da calça de cordura entre o forro e a cordura, tinha passado por um pequeno orifício no bolso, pois era a única passagem, mesmo assim tivemos que rasgar o bolso para retirar a chave pois não dava para acreditar como chaveiro com as 3 chaves havia passado por um orifício tão pequeno. Minha vontade era de dar uma “voadora”no meu primo.

Bem depois de tudo ajeitado resolvemos ir para gruta da Torrinha antes de ir p/ Lençóis eram umas 15:30. Chegamos a Torrinha e começou novamente a chover, falamos com o dono do local que nos explicou as 3 alternativas de passeio a mais curta até a mais longa ( que optamos ) arranjou um guia ( obrigatório ). Quando estávamos prestes a entrar vimos que o casal da Pathfinder de BH chegava. Entramos na gruta com o calculo da sida por volta das 18:30 pois eram quase 2 h de passeio pela gruta num total de 4 Km percorridos ida e volta. A torrinha foi indicada para nós pelo guia Jair dizendo de todas as grutas era a mais completa em formações, pois é a única no Brasil onde se encontra uma formação chamada flor de Aragonita dentro de uma espécie de bolha, como havíamos perdido muito tempo resolvemos então visitá-la deixando p/ uma outra oportunidade a gruta da Lapa Doce e Pratinha. Andamos, paramos p/ fotografar todas as formações e por alguns minutos desligamos o lampião e tivemos a sensação do que é a escuridão e o silêncio total ( indiscritível ). No caminho de volta encontramos o casal de BH e paramos p/ uma breve conversa onde fomos gozado pelo rapaz pois onde ele nos encontrava estava chovendo. Quando saímos da gruta já estava escuro, voltamos para o posto pousada acertamos a conta e rumamos p/ Lençóis. Esse foi o pior trecho esburacado a noite e com chuva cheio de caminhões, os faróis no sentido contrario ofuscavam a visão, apesar de curto pouco mais de 30Km não recomendo. Chegamos em Lençóis e fomos p/ a pousada Lavramor, indicada pelo Sr. Gustavo. Como não havia local p/ guardar as motos decidimos não ficar e a própria dona da pousada ligou para um hotel e arrumou a hospedagem para gente. O hotel se chama Tradição uma porcaria que não recomendo, a pousada Lavramor é bem melhor em estrutura sem contar com a simpatia da dona.

 

Resumo do dia

Pousada e Posto Pai Inácio: R$ 30,00/pessoa

Gruta da Torrinha: R$13,00/pessoa

Almoço: R$4,00

Janta: R$ 11,00/pessoa

Copia da chave R$20,00

 

Abastecimento Canyon   160,3Km/ 9.7L      media 16.52      R$ 22,00

Abastecimento DR 800  241.5 Km/18.2L    media 13.26    R$ 41.00

  

03/06/2003 Lençóis

Acordamos no hotel traição, como meu primo o apelidou, e fomos atrás de um guia, para nos levar para conhecer a região. Guia arranjado fomos primeiro conhecer o rio Lençois que tem uma espuma branca, constante em sua superfície, isso se deve a grande quantidade de matéria orgânica na água revolta pelas correntezas, o que dá também a coloração escura do rio. Conhecemos também o salão das areias de onde antigamente se retirava areia para artesanato, aquelas garrafas com paisagens coloridas dentro, hoje esta proibida retirada de areia pelo IBAMA.

Atravessamos o rio em um trecho de correnteza forte e acabei tirando um bife do dedão, que me incomodou o restante do passeio, fomos conhecer a Cachoeirinha, poço Paraíso

( onde nadamos e acabei perdendo R$ 35,00 ), Cachoeira Primavera e Mirante.

Retornamos para a cidade onde almoçamos e fomos para o outro lado onde nos deparamos com o casal de BH que não nos acompanhou nos 45 minutos de caminhada até a cachoeira do escorrega. Estava com muita vontade de escorregar, mas fui alertado pelo guia que o volume de água era muito grande e poderia não conseguir, depois de escorregar, sair da correnteza, bem apesar de nadar bem não quis arriscar, um belo lugar...

  Retornamos pelas 15:00h e fomos para o hotel descansar um pouco. A noite o trivial janta, compra de lembranças para família e cama.

 

Gastos do dia

Guia R$ 30,00

Almoço R$ 8,50

Janta R$ 11,00

Lembrança R$ 42,00

Perda de R$ 35,00

  

04/06/2003 Lençóis a Barra da Estiva

 Bem daí em diante começaríamos o retorno p/ SP, nossa meta nesse dia era visitar o Poço Encantado e Azul e seguir para Vitória da Conquista.

Saímos cedo com o tempo para variar ruim, calibramos os pneus das motos engraxamos a corrente e estrada. Na saída de Lençóis encontramos novamente o casal de BH que também iria visitar os mesmos lugares que nós nesse dia. Rumamos em direção a 242 andamos aproximadamente 36 km  e viramos a direta sentido Nova Redenção e Andaraí, essa estrada BA 142 esta boa em pavimentação. Seguimos então primeiro para o Poço Encantado, pois queríamos chegar entre 10 e 12:00h melhor horário para se ver a luz solar entrando na gruta e deixando a água do poço com uma coloração azulada. Fomos pela BA 142 até o trevo que vira para Itaête, pegamos uma estrada estadual completamente esburacada, seria melhor deixa-la na terra e ficamos sabendo que o asfalto é relativamente novo 6 anos, fora isso a grande quantidade de animais na pista, de gado a jegue, que não chega ser um grande perigo pois a velocidade máxima que um carro consegue alcançar nessa estrada esburacada era no máximo 40km/h, pensei “ainda bem que estou de DR. Chegando no P. Encantado deparamos com 2 ônibus de excursão de Recife que trazia estudantes, tivemos que entrar com a molecada dentro da caverna ou teríamos que esperar muito tempo prejudicando nossa meta. Mas como o tempo não ajudou, o sol encoberto pelas nuvens, acabamos vendo um  reflexo azul opaco, mas sem sombra de duvida é um lugar maravilhoso. Saímos e percebemos que um dos ônibus havia partido rumo ao Poço Azul nossa próxima parada e quem estava chegando... o casal de BH, que reclamou bastante da estrada apesar de sua Pathfinder ser preparada p/ tal. Vimos, pelas contas que fizemos, que a Cagiva não tinha combustível suficiente p/ ir até o P.Azul e depois  chegar até o próximo posto. Então fomos obrigados a ir até Itaetê p/ abastecer a Canyon, andaríamos mais 32km naquele trecho esburacado. Canyon abastecida rumamos p/ o P. Azul onde entramos por uma estrada de terra bem ruim com vários pontos de atoleiro úmidos, o que chegou a me preocupar, pois se começasse a chover, seria um saco andar derrapando com a DR. Depois de 19Km percorridos em terra  chega se a fazenda onde se encontra o P. Azul. A estrada termina em um rio que era para ser atravessado de balsa, mas a mesma estava furada ou seja as motos teriam que ficar e nós atravessarmos de barco, coisa que meu primo se irritou pois, coitado a Cagiva estava desmontando e ele não estava muito a fim de retornar por aquele trecho, pois se conseguíssemos atravessar estaríamos a 8 Km do asfalto entrando por Nova Redenção, caminho usado pelo ônibus de excursão. Meu primo queria atravessar a moto no barquinho e eu disse para ele que ele estava louco que se quisesse poderia ir sozinho que eu iria retornar por onde viemos. Bem enquanto discutíamos o ônibus que havia partido chegou do outro lado do rio, o que nos fez rapidamente pedir para o rapaz nos atravessar. Descemos do barco e rumamos para a entrada da caverna onde um guia nos levou até lá embaixo, onde pudemos nadar, pois a água mantém uma temperatura constante de 23 graus. Não demoramos muito porque tínhamos uma meta naquele dia. Enquanto esperávamos o barqueiro o casal de BH chega do outro lado do rio. O rapaz acabou atravessando eles primeiro até nosso lado, conversamos um pouco, esse seria nosso ultimo contato, e nos informaram que havia uma saída na estrada de terra que ligaria até a BA 142 evitando boa parte dos buracos. Pegamos informação em um assentamento de sem terras e rumamos até chegar a BA142, daí seguimos para Mucugê, onde chegamos por volta das 15:00h. Paramos para almoçar e assim que terminamos fui ligar a DR e ela fez um “tec” e não pegou, reparei que a luz do neutro apagou e ascendeu, tirei o banco fora e verifiquei a bateria os cabos estavam conectados, sem problemas dei novamente na partida e de novo tec e nada. Pedi para o meu primo ir atrás de um eletricista enquanto ia ligar para o Nelson meu mecânico aqui em SP. Falei do sintoma para ele e foi direto dizendo que era bateria, mas como se tinha colocado uma Yuasa nova havia 2 meses? Quando o eletricista chegou ele tirou o positivo da bateria raspou um zinabre que havia formado e pronto a DR estava funcionando de novo. Dei uma cerveja para ele, coloquei o banco e os alforjes e fomos visitar o Cemitério Bizantino, uma arquitetura bem diferente daquelas que costumamos ver em cemitérios, todas as lápides são brancas, aliás o cemitério é inteiro branco. Fomos abastecer, lavar e engraxar a corrente, já estava tarde para chegar em Vitória da Conquista, pois haviam ainda 250Km a serem percorridos até lá, mas impossível sem rodar a noite coisa que não estava em meus planos. Queríamos avançar mais um pouco, então resolvemos perguntar a um caminhoneiro no posto as condições da estrada, o qual nos informou que até Barra da Estiva estava muito boa e depois ficava ruim cheia de buracos. Então resolvemos rodar até lá ( 90 Km ) mesmo a noite, por azar começou novamente a garuar forte o que nos obrigou a parar e  colocar a roupa de chuva. Chegamos por volta das 20:00h e arrumamos um hotel indicado por uns motoqueiros que estavam em um posto. O hotel não era grandes coisas, mas dava para dormir. Jantamos no próprio hotel e fomos esticar as canelas.

 

Gastos do Dia

 

Hotel  Tradição R$55,00/ pessoa ( 2 diárias )

Entrada do P Encantado R$ 3,00/ pessoa

Entrada do P Azul R$ 3,00/ pessoa

Travessia de barco R$1,50/pessoa

Almoço R$ 9,80/pessoa

Janta R$ 8,00/pessoa

 

1a  parada: Abastecimento Canyon   215Km/ 14,8L     média14,52       R$ 34,00  Itaetê

 2a  parada: Abastecimento DR 800  318 Km/21,8L    media 14,58    R$ 48,90  Mucugê

                  Abastecimento Canyon   100Km/ 6.6 L        media 16.12      R$ 14,00

  

05/06/2003 Barra da Estiva a Ipatinga

Levantamos por volta das 7:00h carregamos as motos, acertamos a conta, olhamos para o tempo, ruim para variar, mandamos brasa rumo a Vitória da Conquista, nossa parada para troca de óleo das motos. De B. da Estiva até Ituaçu, a BA esta muito ruim são buracos e remendos, depois melhora um pouco, pelo menos sem buracos. Quando chegamos no trevo para Anagê fomos parados pela polícia rodoviária bahiana. O guarda que me abordou pediu meus documentos, que na mesma hora mostrei. Com meu DPVAT na mão ( sem olhar o resto ) me perguntou se eu não estava com a comprovante do pagamento obrigatório, respondi que não pois o DPVAT mostrava que o seguro estava pago, então ele respondeu que sabia que estava pago mas que era obrigatório andar com o comprovante e me levou até o carro p/ mostrar a lei. Leu  o artigo que diz que é obrigatório o porte desse comprovante, UM ABSURDO!!! . Então me ameaçou a prender a moto até que eu arranja-se o documento. Lógico que ele estava esperando eu perguntar se não podia dar um jeito, foi o que fiz e acabei morrendo com R$ 50,00 depois de muita negociação pois na verdade eles queriam 120. Esse safados na verdade pararam a gente somente para extorquir dinheiro, meu primo por sorte estava com o comprovante e saiu “ileso”dessa. Chegamos em Vitória da Conquista lá pelas 9:30h procuramos uma concessionária Honda, que se recusou a trocar o óleo das motos, pois estavam receosos em mexer nelas e nos indicaram uma da Suzuki onde fizeram a troca tanto da DR quanto da Cagiva, demoraram umas 2 horas mas tudo bem. Enquanto esperávamos ficamos conversando com o pessoal de lá e ficamos sabendo que V. da Conquista tem um índice alto de roubo de motos 125 principalmente CG, então entraram  dois rapazes, que tinham sido vitimas naquela semana. Trocado o óleo rumamos para Ipatinga paramos somente para abastecer, sem almoço, queríamos chegar antes de escurecer em Ipatinga, se desse em BH. Acabamos chegando por volta das 18:30h e resolvemos procurar um hotel e acabamos ficando no San Diego, hotel de alto padrão que estava com uma faixa bem grande mostrando o preço da diária em promoção de aniversário.  

 

Gastos do Dia

Hotel  de. Da Estiva R$25,00/ pessoa

Troca de óleo R$28,80/moto

Lanche R$ 7,00

Janta: R$ 23,25/pessoa

Café do policial: R$50,00

 

1a  parada: Abastecimento Canyon  170Km/ não anotado

2a  parada: Abastecimento DR 800  268,4Km/18,7 L    media 14,35    R$ 41,50 V.Conquista

                 Abastecimento Canyon  130Km/ 10.6 L      media 12,26    R$ 23,00

3a.parada   Abastecimento Canyon  198Km/ não anotado                    R$ 33,00 Medina

4a  parada: Abastecimento DR 800  321 Km/ 21,5 L      media 14,95   R$ 45,00 Catuji

                 Abastecimento Canyon   131Km/ 9,6 L        media 13,64   R$ 20,00

5a  parada  Abastecimento Canyon   177Km/ não anotado                                   F. Inocêncio

6a  parada: Abastecimento DR 800  297 Km/ 19,7 L     media 15,07    R$ 39,36 Ipatinga

                  Abastecimento Canyon  125Km/ 8,1 L       media 15,62    R$ 16,25

 

Total de Km rodados 886

  

06/06/2003 Ipatinga a São Paulo

Saímos de Ipatinga por volta das 7 :00h, primeira parada para abastecimento Belo Horizonte. Abastecemos e quando o Guilherme ligou a Cagiva, um forte barulho veio do motor, parecia que tinha estourado de tão forte o ruído. Pedi para ele desligar e ligar novamente e de novo aquele barulho. Então pegamos algumas informações com o pessoal do posto sobre uma oficina que trabalhasse com motos importadas. Não souberam informar e então resolvemos entrar em BH. Como estava na frente resolvi pegar aleatóriamente uma saída para a cidade e comecei a procurar motos paradas. Resolvi parar em uma autopeça e um dos caras nos indicou um mecânico ali próximo, o Nilson. Fomos para o local indicado, vimos que havia duas oficinas, uma frente a outra, paramos em uma delas e perguntamos do Nilson e o mecânico disse que era a outra, atravessamos a rua e reparamos na oficina. Era uma garagem e tinha uma plataforma com uma CG em cima e o Nilson havia saído de acordo com seu vizinho, mas voltaria logo, bem pela aparência da oficina desconfiamos. Ficamos aguardando, quando apareceu o irmão dele e confirmou que o Nilson mexia mesmo com aquelas motos, então resolvi ligar para o Robson do clube DR800, pois sabia que ele podia nos ajudar em BH o que fez rapidamente me ligando e passando o telefone de pessoas que poderiam nos auxiliar. Uma hora depois apareceu o dito cujo que logo escutando o barulho deu 3 alternativas, rolamento de embreagem, verabrequim ou cremalheira. O Guilherme perguntou se dava para fazer, pois sua preocupação era chegar em SP até as 20:00h, pois tinha um ensaio de sua banda ( Street Buldogs ) marcado para as 21:00h, com show para o dia seguinte, a resposta foi sim o problema seria se tivesse que trocar alguma peça que poderia não ser encontrada em BH. Bem começou a desmontar primeiro o lado da embreagem p/ verificar o rolamento, tirou a tampa lateral do motor com tanto cuidado que não rasgou a junta. Rolamento verificado e verabrequim também sem problemas. Foi para o outro lado e tirou a outra tampa lateral do motor sem danificar a junta. Chegou ao magneto, precisava de um saca magneto próprio para Cagiva, pois só tinha de Honda e Yamaha. Nilson e o irmão improvisaram um e tiraram a peça e o problema apareceu: os 4 parafusos que seguram a cremalheira haviam soltado e quebrado lá dentro, sorte que não avariou mais nada. O Guilherme saiu com o irmão do Nilson e trouxe 4 parafusos e 4 arruelas de pressão e óleo, então com a confiança no cara fomos comer um lanche enquanto ele montava a moto.  Serviço terminado, pagamento feito ( só R$ 70,00 ) e telefones trocados rumamos para SP, saímos de BH 13:15h e rumamos para SP sem parar para nada somente abastecimento, pista 98% duplicada a viagem rendeu, eram exatamente 18:52h quando adentramos na Marginal Tiête.

Detalhe no dia seguinte o Nilson telefonou para saber se havíamos chegado bem e a moto não tinha dado mais problemas.

  

Gasto do dia:

Hotel San Diego: R$ 73,14 /pessoa ( incluindo janta )

1a  parada: Abastecimento Canyon  203Km/ 13,2L  media 15,37  R$ 25,34 BH

                 Abastecimento DR 800  203Km/15,1L   media 13,44  R$ 29,00

2a  parada: Abastecimento Canyon  190Km/14,6L   media 13,01  R$ 30,00 S.A.Amparo

3a.parada   Abastecimento Canyon  108Km/ 8,1L   media 13,33  R$ 17,00 T Corações

                 Abastecimento DR 800  297Km/19,5L   media 15,23  R$ 41,00

4a  parada:Abastecimento Canyon   213Km/15,3L   media 13,92  R$ 33,00

5a. parada Minha casa DR800 312Km sem média

Total de Km rodados: 812Km

  

Resumo da Viagem:

 

Total de Km Rodados: 4.569,3

 

Gasto c/ Hospedagem: 11 diárias R$ 732,00 / 2 pessoas = R$33,27/dia/pessoa

Gasto c/ Combustível DR: R$665,74

Gasto c/ alimentação: R$203,35/pessoa = R$16,94/ dia ( almoço e janta )

Gasto c/ passeio ( incluindo guias entradas ) R$103,25 / pessoa

Diversos ( filmes, perda, “cafés”, presentes, troca de óleo etc ) R$ 178,80

 

Total : R$ 1.517,14